ColunistaFórmula 1PostSérie Circuitos da F1Série Circuitos da Fórmula 1

SÉRIE CIRCUITOS DA F1: Adelaide

Adelaide mudou suas regras para trazer a F1 oficialmente para a Austrália e foi palco de decisões de títulos

O automobilismo já vinha sendo disputado de maneira profissional na Austrália desde o começo do século 20. Em 1928, foi realizado o primeiro GP da Austrália, com a corrida de rua de 100 milhas em Phillip Island.

Arthur Waite foi o vencedor do que é considerado o 1º GP da Austrália, realizado em 1928. – Foto: reprodução

Em 1937, a corrida deixou de ser disputada lá e passou a se revezar por circuitos no país, com a cidade de Victor Harbour, cerca de 82 quilômetros de Adelaide, sendo a primeira a receber uma corrida da categoria Formula Libre, que foi vencida por Les Murphy. Depois disso, o Estado de South Australia, onde a cidade de Adelaide fica localizada, receberia mais quatro corridas, sendo a última em 1961.

O GP da Austrália continuava acontecendo em outras partes do país, apesar de ser em outras categorias. Querendo promover o turismo na região, o empresário Bill O’Gorman, com o apoio do governador de South Australia John Bannon, fez uma proposta para Bernie Ecclestone para levar a F1 ao país no começo dos anos 1980 e colocar a cidade de Adelaide no mapa das cidades turísticas. 

Vista da cidade de Adelaide, que trouxe a F1 para alavancar o turismo. – Foto: reprodução

Proposta aceita e contrato assinado por sete anos, coube ao Dr. Mal Hemmerling fazer as coisas saírem do papel, já que não seria fácil fazer uma corrida de rua. Curiosamente, o governo da região tinha banido corridas em ruas em 1951, proibição que teve que ser retirada para receber a F1. 

O local escolhido para a pista foi o Victoria Park. O engenheiro Bob Barnard utilizou as ruas ao redor, assim como um pedaço de uma pista de cavalos que existia no parque, para fazer o traçado do circuito. 

LEIA MAIS: SÉRIE CIRCUITOS DA F1: Melbourne
Uma parte da pista de corridas de cavalos do Victoria Park, que foi inaugurada em 1846, foi usada na construção da pista do circuito de rua. – Foto: reprodução

Para criar o circuito de 3,780 km de extensão, foram feitas 2.142 barreiras de concreto, além de vários quilômetros de cerca, arquibancadas e boxes, que seriam erguidos na época da corrida e poderiam ser facilmente removidos e guardados para o ano seguinte. 

Traçado do circuito de Adelaide, que foi utilizado nos 10 anos em que a F1 disputou corridas na cidade. – Foto: reprodução
Vista aérea do circuito de Adelaide, que utilizou as ruas ao redor de um parque e a antiga pista de corridas de cavalos em seu traçado. – Foto: reprodução

No dia 3 de novembro de 1985, Adelaine sediou o primeiro GP da Austrália de F1. Keke Rosberg sagrou- se vencedor da corrida, sendo um dos oito pilotos que completaram a prova, dos 25 que largaram. Os dois pilotos da Ligier, Jacques Laffite e Philippe Streiff, completaram o pódio e foram os únicos pilotos que chegaram na mesma volta do vencedor.

Keke Rosberg foi o vencedor na volta das corridas de rua no Estado de South Australia. – Foto: reprodução
Keke Rosberg no pódio com os dois pilotos da Ligier, Jacques Laffite e Philippe Streiff, no primeiro GP da Austrália de F1. – Foto: reprodução

No ano seguinte, a corrida em Adelaide fechou a temporada e decidiu o título do campeonato, para desespero de Nigel Mansell, que disputou oito corridas na pista australiana e só conseguiu completar três delas. E a corrida de 1986 foi a pior para o britânico, que chegou na Austrália com seis pontos de vantagem para Alain Prost, com Nelson Piquet também na disputa pelo título. Em terceiro na corrida, Mansell viu um estouro de pneu o tirar da prova faltando 19 voltas para o fim.

Nigel Mansell lidou com um estouro no pneu de sua Williams e abandona o GP da Austrália de 1986. Foto: reprodução

Prost acabou vencendo a prova e levou o troféu de campeão para casa por uma diferença de apenas dois pontos para Mansell, que ainda ficou com o vice-campeonato com 70 pontos, um a mais que Piquet.

Chegando com seis pontos de desvantagem na Austrália, Prost comemora a vitória em 1986, que lhe rendeu o título daquele ano. Seu maior rival na disputa pelo campeonato, Nigel Mansell, abandonou com um pneu estourado. – Foto: reprodução

Outra corrida que ficou marcada na história do circuito foi a de 1991. Debaixo de uma chuva torrencial, a prova foi interrompida depois de 14 voltas. Sem condições de continuar, Ayrton Senna saiu com a vitória, com Mansell e Berger completando o pódio. Essa era a corrida mais curta da história da F1, até o GP da Bélgica de 2021, que foi encerrado depois de uma volta oficial. 

Debaixo de uma chuva muito forte, a corrida de 1991 foi interrompida depois de 14 voltas e por muito tempo, foi a corrida mais curta na história da F1. – Foto: reprodução

Já as corridas de 1994 e 1995 viram a briga de Michael Schumacher e Damon Hill. Em 1994, os dois disputavam o campeonato, quando Schumacher, depois de danificar o carro ao sair da pista, se chocou com Hill que tentava ultrapassá-lo. Os dois pilotos abandonaram a corrida e o título ficou nas mãos de Schumacher, o primeiro dos sete conquistados pelo piloto alemão.

Michael Schumacher e Damon Hill disputam uma curva durante a corrida de 1994. Uma batida tirou os dois pilotos da prova, dando o primeiro título a Schumacher. – Foto: reprodução

No ano seguinte foi a vez de Hill dar o troco e depois de liderar dois terços da prova, venceu com duas voltas à frente do segundo colocado, Olivier Panis, enquanto que Schumacher abandonou depois de uma batida na 25ª volta. Apesar da vitória de Hill, Schumacher já tinha conquistado o título por antecipação. 

Damon Hill dá show em 1995 e vence a corrida depois de colocar duas voltas no segundo colocado. Mesmo com a façanha, o título ficou novamente nas mãos de Schumacher. – Foto: reprodução

Essa foi a última corrida de F1 disputada em Adelaide. Manobras políticas acabaram levando a corrida para Melbourne para a corrida de 1996.

Apesar de perder a F1, Adelaide conseguiu um acordo com a Australian Vee Eight Supercar Company (AVESCO) para a disputa da corrida de V8 Supercar. A primeira corrida da categoria, que foi chamada de Sensational Adelaide 500, foi realizada em abril de 1999 e usou um traçado encurtado em relação ao usado nos anos de F1. 

Circuito encurtado de Adelaide, usado na categoria V8. – Foto: reprodução

Além da V8, a pista na sua versão original, recebeu uma rodada da American Le Mans Series. O evento foi um sucesso e inicialmente seria o primeiro de nove anos de contrato, que previa um campeonato de Le Mans Ásia-Pacífico. Como o campeonato nunca saiu do papel, o contrato foi cancelado e Adelaide voltou seu foco para a V8. O traçado sofreu pequenas alterações durante os anos. Em 2002, a curva 8 foi transformada em uma curva de alta velocidade e a barreira de concreto, sem nenhuma área de escape, causou muitos acidentes nos anos seguintes, inclusive um fatal em 2008, quando o piloto Ashley Cooper, disputando a corrida Clipsal 500, bateu forte nessa curva e faleceu dois dias depois do acidente.

Piloto Ashley Cooper sofreu um acidente na curva 8 e faleceu dois dias depois de bater a cerca de 200 km/h em uma barreira de concreto. – Foto: reprodução

Essa foi a primeira morte no circuito. O acidente mais grave até então tinha acontecido em 1995, quando Mika Hakkinen teve um estouro de pneu e seu carro desgovernado decolou depois de atingir uma zebra, batendo em uma barreira em seguida. O piloto teve fratura no crânio, hemorragia interna e sangramento nas vias aéreas, por conta da batida da cabeça contra o volante. A sorte do piloto é que a equipe médica local estava posicionada bem no local da batida e realizaram uma traqueostomia na pista, para que o finlandês pudesse respirar. Além disso, o hospital para o qual o finlandês foi levado ficava a 500 metros da pista. 

Hakkinen é retirado do carro em 1995, depois de um grave acidente que o deixou em coma induzido. O piloto levou dois meses para se recuperar das lesões sofridas. – Foto: reprodução

Depois disso, a curva 8 sofreu mais uma alteração, para que em caso de acidente, o ângulo de impacto na saída de curva não fosse tão forte, com a pista terminando com 3,219 km de extensão. Essa alteração se mantém até hoje e não foi a única mudança. As arquibancadas e a área dos boxes também foram melhoradas. Com novas iniciativas, o campeonato de V8 Supercars acabou se tornando um sucesso de público e manteve a pista de Adelaide na ativa.

Entre os vencedores, Alain Prost, Ayrton Senna e Gerhard Berger estão empatados com duas vitórias cada. Já em número de pódios, Prost e Berger se destacam dos demais, com 4 pódios. Já Mansell se junta aos brasileiros Senna e Piquet com 3 pódios cada, sendo que Piquet também venceu uma corrida nessa pista.

Entre os pilotos da casa, Adelaide viu apenas dois australianos correrem em sua pista. Alan Jones participou das provas de 1985 e 1986, mas não completou nenhuma. Em 1990, David Brabham, filho do lendário piloto Sir Jack Brabham, alinhou em 25º no grid de largada correndo justamente na equipe do pai, a Brabham. David acabou abandonando a corrida depois de rodar na volta 18. 

David Brabham foi o único australiano a correr em Adelaide. Em 1990, David disputou a corrida pela equipe do pai, o lendário Jack Brabham. – Foto: reprodução

Em 1994, David também participou da corrida pela Simtek, mas largado em 24º, novamente não completou a prova.

Conheça mais da Série Circuitos da F1 aqui!
Mostrar mais

Denise Vilche

Uma revista antiga sobre carros fez nascer uma paixão: a F1. Uma menina curiosa de oito anos queria saber quem eram aqueles tais de Senna, Piquet, Mansell e cia. que a revista mostrava em gráficos coloridos. E mais de 30 anos depois, essa menina, agora jornalista, continua mais apaixonada pela F1 do que nunca.

Deixe uma resposta

Artigos relacionados