ColunistaFórmula 1Post

Reportagem: Mantendo próximo, mas olhando para o futuro

Planos para 2023 para Pierre Gasly e Alex Albon, enquanto jovens talentos estão se formando na base podendo fazer parte do time no futuro

A Red Bull tem uma Academia de Pilotos famosa, não é à toa que na próxima temporada oito pilotos que vão estar no grid foram ou ainda são da equipe austríaca. Max Verstappen permanece na Red Bull, enquanto o time optou por renovar o contrato com Sergio Pérez, mas Carlos Sainz, Daniel Ricciardo e Sebastian Vettel já fizeram parte do time. Yuki Tsunoda e Pierre Gasly vão disputar mais uma temporada pela AlphaTauri, enquanto Alexander Albon retorna para a F1, guiando agora pela Williams.

Christian Horner conseguiu colocar Albon na Williams depois de muitas negociações, mas para isso o piloto tailandês precisou se desvencilhar da Red Bull. No entanto, o convite para retornar em um futuro ficou em aberto. Eles vão observar o desenvolvimento de Albon, pensando justamente na temporada de 2023.

 “Isso significa que temos um bom relacionamento com Alex, ele mantém um contato com a Red Bull e teríamos uma opção de contar com ele caso fossem necessários em 2023.” 

A Mercedes não ficou satisfeita com a chegada de Albon, principalmente pela Red Bull ser atualmente a sua grande rival e ter conseguindo um espaço para introduzir um piloto, em um time que usa a unidade de potência alemã.

Albon vai guiar em 2022 com a Williams, depois de ficar uma temporada fora da Fórmula 1 – Foto: reprodução Williams

Em 2019, Albon trocou de lugar com Pierre Gasly que estava na Red Bull, quando o time viu que o francês não estava se adaptando ao carro retornou com o piloto para a Toro Rosso. Buscando um resultado imediato, colocaram Albon e permaneceram com o tailandês na temporada de 2020. Albon não teve a entrega esperada e para 2021 realizaram a contratação de Sergio Pérez, não nomeando Gasly ou outro piloto da Academia.

Albon ficou sem assento na Fórmula 1, Yuki Tsunoda foi escolhido para correr ao lado de Pierre Gasly, enquanto o tailandês ficou aguardando o momento que poderia retornar para a categoria. 

 “Ele estava sem contrato para o próximo ano de qualquer maneira, então basicamente o que fizemos foi acelerar esse processo e garantir opções futuras para ele”, disse Horner.

Por outro lado, avaliando a entrega que Pierre Gasly está demonstrando na AlphaTauri, é de se esperar que eles não querem perder outro piloto pode começar a apresentar um bom rendimento, principalmente se a liderança for trabalhada ou se ele tiver oportunidade.

Ainda é cedo para afirmar como será o desempenho de Albon na Williams, até porque é esperado que o time tenha uma performance melhor na temporada, pois eles estão trabalhando ferozmente com a sua reestruturação, para entregar mais resultado. Neste momento a Williams está consolidada na oitava posição do Campeonato de Construtores, mas eles precisam mirar mais alto com a mudança dos regulamentos e a introdução do novo carro. A pressão na Williams ainda vai existir principalmente se a sua situação melhorar.

O tempo pode ter ajudado no amadurecimento de Albon e certamente os olhares vão se voltar para a sua performance. O piloto vai subsistir George Russell, um pupilo do time.  

“Vamos trabalhar muito com ele até o final do ano”, acrescentou Horner. “A quantidade de horas que ele passou na simulação foi insana, mas é tudo parte, e aumentando, o que estamos conseguindo alcançar neste ano.”

Alexander Albon – Foto: reprodução Red Bull

Poucos pilotos têm uma segunda oportunidade na Fórmula 1, por isso esse retorno de Albon é interessante, independente do vínculo que ele tem com a Red Bull ou não. Ou até mesmo o que pretende para o seu futuro. 

“Sentiremos falta de sua contribuição no próximo ano, mas temos Juri Vips e Liam Lawson fazendo um ótimo trabalho. Ainda temos Sebastien Buemi sob contrato, Jake Dennis tem feito um ótimo trabalho para nós também. Portanto, temos força e profundidade dentro da equipe.”

E nesta manobra, é importante se lembrar de Pierre Gasly. O piloto vem conduzindo o projeto da AlphaTauri, é o grande responsável pelos pontos conquistados pela equipe até aqui. Em 10, das 14 provas disputas, Gasly obteve pontos e não podemos nos esquecer do pódio no GP do Azerbaijão, ou das classificações que ele fez com a AlphaTauri, impulsionando o time no Q3.

Pierre Gasly conquista terceiro lugar no GP do Azerbaijão para a AlphaTauri – Foto: reprodução AlphaTauri

Para muitos o bom trabalho feito pelo francês desde o seu retorno para a equipe irmã da Red Bull, era a garantia perfeita para estar ao lado de Max Verstappen em 2022, o francês também tinha esperanças.

Gasly é sem dúvidas um destaque nesta temporada, mas o piloto vai liderar a AlphaTauri mais uma vez. E nesta outra oportunidade Horner mostra que quer ter controle sobre o futuro do francês, deixando a esperança com cara de aposta para o futuro da equipe.

“Eu nunca descartaria nada. Ele está guiando em um padrão muito bom. Ele ainda é muito jovem, está fazendo um ótimo trabalho. Para 2023, temos várias opções disponíveis para nós, então quando você estiver na situação em que estamos, é exatamente o que queremos.”

“Pierre Gasly fez um trabalho fenomenal com AlphaTauri nas últimas temporadas e suas aspirações continuam a crescer, então para ele manter a liderança por lá é bom. Ele continua sendo um piloto da Red Bull emprestado à AlphaTauri.”

Atualmente a preocupação do time, é o que ela vai fazer depois de 2023, pois até lá eles têm Max Verstappen. A Red Bull é uma fabricante de talentos, mas nem sempre ela sabe aproveitar os pilotos que fazem parte do seu programa.

Pensando no futuro é importante manter esses outros competidores próximos, principalmente para o que eles podem fazer/contar nas próximas temporadas, afinal já ter pilotos formados e que também contam com experiência, podem compor o time com uma saída de Verstappen, mas também até o aperfeiçoamento de outros competidores.

No entanto, não parece muito rentável para Gasly permanecer muito tempo com a Red Bull/AlphaTauri, o piloto precisa mirar em outras equipes do grid – que também devem estar visualizando o seu crescimento e potencial para liderança.

A equipe também já está mirando nos futuros talentos: “Temos esse grupo de jovens pilotos chegando. Temos Liam Lawson e Jüri Vips na F2, temos Dennis Hauger na F3 e um jovem americano empolgante, Jak Crawford”, completou Horner.

“Portanto, há força e profundidade no programa para jovens.”

Para o time é atrativo tem vários talentos no grid, ou contar com pilotos que eles já conhecem no futuro, mas a Red Bull deve estar de olho no futuro, buscando outro piloto que possa ser parecido e tão atrativo quanto foi Sebastian Vettel e está sendo agora Max Verstappen. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados