ColunistaFórmula 1Post

Raio-X do GP da Bélgica

Lewis Hamilton conquistou a 89ª vitória da carreira, fim de semana ruim da Ferrari e boa recuperação da Renault no campeonato de construtores

O GP da Bélgica marcou a conclusão da sétima etapa da Fórmula 1. A Mercedes segue forte no campeonato, mas vale ressaltar que a equipe só conquistou a sua segunda dobradinha da temporada, agora, pois Max Verstappen segue dificultando o trabalho de Valtteri Bottas.

A chuva tão esperada não veio e no domingo as temperaturas estavam elevadas. Tivemos uma prova interessante na Bélgica e a parada de Antonio Giovinazzi foi a virada da corrida para alguns times. Confira agora o fim de semana das equipes respeitando a ordem do campeonato atual de construtores!

Mercedes

Lewis Hamilton e Valtteri Bottas - Foto: Mercedes Daimler
Lewis Hamilton e Valtteri Bottas – Foto: Mercedes Daimler

A equipe seguiu dominando o fim de semana, liderando os treinos livres e classificação. Para Lewis Hamilton foi uma vitória diferente pois o circuito belga nem sempre proporcionou corridas com resultado positivo para o inglês. Além disso, após a batida de Antonio Giovinazzi a Mercedes reagiu realizando a parada nos boxes e a preocupação com os pneus voltou à tona pois seriam muitas voltas para concluir com os pneus e a lembrança da corrida em Silverstone estava muito recente.

Para Valtteri Bottas, a melhor oportunidade para vencer o companheiro de equipe, foi durante a largada, depois disso a corrida ficou mais complicada para o finlandês e nem mesmo após a relargada da prova, o piloto teve oportunidade semelhante para lutar pela ponta.

No entanto, Bottas deu um passo importante no campeonato, após a conquista do segundo lugar, reduziu a diferença para Max Verstappen e agora os pilotos estão separados por três pontos. Em uma disputa pessoal, Hamilton está a duas vitórias de se igualar a Michael Schumacher.

Red Bull

Max Verstappen e a dupla da Renault durante o GP da Bélgica - Foto: Red Bull Racing
Max Verstappen e a dupla da Renault durante o GP da Bélgica – Foto: Red Bull Racing

Max Verstappen terminou na terceira posição e desta forma o piloto marca seis corridas consecutivas no pódio. O holandês teve um papel fundamental durante a classificação, quando se colocou a frente de Alexander Albon, para que o piloto pudesse utilizar o vácuo para conseguir uma volta melhor durante o Q2.

Verstappen largou da terceira posição, enquanto Albon partiu do quinto lugar e a disputa da dupla foi justamente com os pilotos da Renault – Vestappen com Ricciardo e Albon com Ocon. O holandês poderia ser a grande ameaça para a Mercedes durante a parada nos boxes, mas a corrida deles permaneceu muito semelhante após a relargada.

Vale ressaltar a estratégia diferente adotada para Verstappen e Albon, o segundo utilizou os pneus médios e permaneceu com eles até o final, desta forma as últimas voltas foram críticas e Albon teve um pouco mais dificuldade pois precisou se defender dos ataques de Ocon, com um pneu bem desgastado e por fim foi ultrapassado, o que rendeu um P6 para ele.

McLaren

Lando Norris com o MCL35 - Foto: McLaren
Lando Norris com o MCL35 – Foto: McLaren

A equipe superou a Racing Point e assumiu a terceira posição no campeonato de construtores, o mais interessante disso é que a McLaren só conquistou pontos com o carro de Lando Norris, já que Carlos Sainz não conseguiu alinhar no grid para a largada.

Os seis pontos conquistados por Lando Norris com a sétima posição, foram suficientes para a McLaren bater a rival, somando isso tudo ao fato dos carros da Ferrari não pontuarem neste fim de semana. Boa corrida para Norris, mesmo com um começo difícil quando o piloto sentiu que o carro estava escorregando muito. O piloto ainda precisou se defender dos ataques da Racing Point e travou disputa importante com a Renault.

E como já mencionado, Sainz não participou da corrida, pois foi identificado um problema na unidade de potência. O time está focado para a Itália, pois sabe que a disputa com os concorrentes será acirrada.

Racing Point

Lance Stroll, Racing Point RP20 em disputa com Charles Leclerc - Foto: Ferrari Media
Lance Stroll, Racing Point RP20 em disputa com Charles Leclerc – Foto: Ferrari Media

Três pontos! Foi o que a Racing Point levou para casa após o GP da Bélgica e considerando o carro que eles têm, a pontuação não é nada animadora. Durante todo o fim de semana faltou ritmo para a dupla, não conseguiram encaixar uma volta rápida na classificação e a corrida não boa. Além disso a estratégia para Sergio Pérez, simplesmente não foi a ideal, pois o piloto permaneceu na pista após a entrada do Safety Car e logo depois começou a ser ultrapassado por conta do desempenho ruim.  

O SC foi o divisor de águas na corrida de vários pilotos, mas principalmente na prova de Pérez, pois a equipe acreditou que ele teria alguma vantagem ao permanecer na pista. Somar pontos é melhor do que sair zerado de uma etapa, mas o P9 e o P10 não eram esperados pelo time.

Ferrari

GP da Bélgica - Classificação da Ferrari - Foto: Media Ferrari
GP da Bélgica – Classificação da Ferrari – Foto: Media Ferrari

Fim de semana complicado para a Ferrari, a possibilidade de ficar com os dois carros no Q1 foi algo que assombrou eles durante o início das atividades para o GP da Bélgica. Leclerc e Vettel conseguiram avançar para o Q2 mais a equipe ficou bem limitada.

Durante a corrida, o desempenho não melhorou, Charles Leclerc teve uma boa reação durante a largada, mas com os pneus macios instalados e a potência do carro que não era boa, logo perdeu espaço. Sem pontos a equipe permanece na quarta posição do campeonato, pois Sebastian Vettel terminou na décima terceira posição, enquanto Leclerc foi o décimo quarto.

A parada de Leclerc foi mais demorada por conta da necessidade de injetar ar comprimido no motor, desta forma o time não pode realizar um pit-stop duplo, para não atrapalhar a prova de Vettel.

Renault

Daniel Ricciardo 4º colocado no GP da Bélgica - Foto: Renault F1 Media
Daniel Ricciardo 4º colocado no GP da Bélgica – Foto: Renault F1 Media

O GP da Bélgica marcou a maior conquista de pontos que o time já teve nesta temporada, com o quarto e o quinto lugar, conquistados por Daniel Ricciardo e Esteban Ocon, a dupla levou 23 pontos para casa, contra os 20 conquistados no GP da Inglaterra.

O time não tinha carro para desafiar Max Verstappen, mas contaram com o bom ritmo para realizar uma corrida sólida e foi aquele pacote perfeito, uma boa classificação que auxiliou nas disputas travadas durante a prova. Neste momento do campeonato, eles precisam lidar com a inconsistência, pois a soma grandiosa de pontos não está ocorrendo sempre.

É interessante prestar atenção neles, pois agora a briga da Renault parece mais próxima da Ferrari e Racing Point do que com a própria AlphaTauri – principalmente por conta dos pontos conquistados nesta rodada e pelo mesmo motivo que mantém a AlphaTauri na sétima posição do campeonato de construtores.

Confira o nosso Podcast!

AlphaTauri

Grande corrida de Pierre Gasly! O francês foi escolhido como melhor piloto do dia e realmente foi merecido, afinal as suas disputas na pista foram intensas. Já falei sobre a consistência dele, aliás, Gasly é o piloto que mais pontua para a equipe, pois Daniil Kvyat só conseguiu até este momento dois P10.

O que faz a AlphaTauri apostar em estratégias diferentes para o francês. Nesta corrida ele largou com os pneus duros, para se manter por mais tempo na pista. A entrada do Safety Car prejudicou um pouco o desempenho do piloto, pois largando com os compostos que duram mais, o piloto teria que permanecer por mais tempo na pista. Desta forma Gasly só foi chamado aos boxes na volta 26, para instalar os pneus médios.

A parada jogou o piloto para as últimas posições, fazendo com que ele perdesse segundos preciosos, a AlphaTauri estava confiante com um quinto lugar para o piloto. No entanto, Gasly terminou a corrida na oitava posição, enquanto Kvyat teve mais uma corrida difícil e cruzou a linha de chegada em P11.

Alfa Romeo

Antonio Giovinazzi - GP da Bélgica - Foto: Alfa Romeo
Antonio Giovinazzi – GP da Bélgica – Foto: Alfa Romeo

Não começaram confiantes, pois a sexta-feira na F1 tem as suas nuances, os times não costumam entregar a sua performance real, afinal diversos testes são realizados neste dia. No sábado as coisas já tinham outra cara, a Ferrari estava rodando com eles no final da tabela, mas a Alfa pode mostrar uma melhora, mas não conseguiram tempo suficiente durante a classificação e forma eliminados no Q1.

E no domingo a corrida de Kimi Raikkonen não começou da melhor forma, pois durante a largada o seu carro entrou em anti stall – sistema que impede o motor de apagar quando o carro sai da inércia – desta forma o finlandês que largou de P16, caiu para P19. Raikkonen foi se recuperando na pista e disputou espaço com a Ferrari, cruzando a linha de chega em P12.

A Alfa Romeo de fato acredita que que reduziram o déficit e está progredindo na temporada.

Antonio Giovinazzi teve uma boa largada, disputou espaço com os carros da Ferrari e até utilizou o DRS em vários momentos, pois conseguira ficar abaixo de um segundo nas zonas de aferição. Mas o italiano acabou batendo o C39 e arcou com a responsabilidade da batida, pois estava buscando imprimir o melhor ritmo. Ele ainda se sentiu mal por ter tirado George Russell da prova.  A Alfa Romeo está sendo investigada pois a roda do carro do italiano se soltou e atingiu o piloto da Williams.

Haas

SPA-FRANCORCHAMPS, BELGIUM – AUGUST 30: Kevin Magnussen, Haas F1 on the grid during the Belgian GP at Spa-Francorchamps on Sunday August 30, 2020 in Spa, Belgium. (Photo by Andy Hone / LAT Images)

O problema começou ainda na sexta-feira, quando a dupla não pode participar do TL1 e parte do TL2 por estarem com um problema no motor. A Haas seguiu com um desempenho ruim, falta de ritmo e brigando pelas últimas posições do grid.

Durante o domingo, estiveram disputando com as Williams e Romain Grosjean terminou a corrida em P15, enquanto Kevin Magnussen fechou em P17. São sete corridas com apenas um ponto, conquistado na Hungria.

Williams

Russell após batida na Bélgica - Foto: Williams Racing
Russell após batida na Bélgica – Foto: Williams Racing

Assim como a Alfa Romeo, o time acredita que teve um progresso, principalmente em ritmo de corrida. George Russell vinha disputando com a Alfa Romeo até ocorrer a batida. Não esperavam conquistar pontos, mas a melhora já é um bom sinal para a equipe.

Nicholas Latifi precisou realizar duas paradas e ficou um pouco desconfortável com o desempenho do carro, que se mostrou diferente dos outros dias de atividade e de modo geral esteve batalhando com a dupla da Haas.

 

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo