ColunistaDestaquesFórmula 1Post

Preview do GP do Canadá 2019 – O GP fora da Europa na fase européia

O Grande Prêmio do Canadá entrou para o calendário da Fórmula 1 em 1967 e desde então a corrida já aconteceu em três autódromos diferentes, passando por Mosport Park na província de Ontario, no circuito de Mont-Tremblant em Quebec. Em 1978 foi transferido para Montreal, os motivos estavam ligados diretamente à segurança dos pilotos.

Nos primeiros anos de vida das competições de automobilismo no país, o autódromo de Mosport Park acabou servindo como teste para a Fórmula 1. O Canadian-American Challenge Cup foi inserido para servir de incentivo para que os pilotos da categoria fossem até o local testar os inúmeros desafios do traçado.

 

lll Mosport Park e Mont-Tremblant

Na época em que a Fórmula 1 colocou o Canadá no calendário, as provas começaram a se alternar entre os dois circuitos, já que os layouts eram espetaculares. Além disso o traçado de Mont-Tremblant tinha algumas elevações e aumentava o desafio. A primeira vitória foi de Jack Brabham no Mosport Park, em agosto, entre os Grandes Prêmios da Alemanha e Itália, o pódio daquele primeiro evento ainda contou com Danny Hulme, companheiro de Brabham 1-2.

A alteração no autódromo aconteceu depois dos acidentes de 1977, a falta de segurança era muito grande e o asfalto áspero ligado a uma pista rápida deixou de ser o ”ideal” para a Fórmula 1 e já em 1978 tinha uma nova casa.

lll Montreal

O primeiro piloto a vencer no circuito de Montreal foi o canadense Gilles Villeneuve em 1978. Depois da morte trágica do piloto no circuito da Bélgica o autódromo acabou recebendo o seu nome, como formar de prestar uma homenagem.

A corrida no Canadá teve um aumento de público quando as provas nos Estados Unidos e México deixaram de ser realizadas. Em 2005 foi o terceiro evento mais assistido no mundo, ficando apenas atrás do Super Bowl e da final da UEFA Champions League.

 

O layout da pista também sofreu algumas alterações, em 1979 ela foi modificada para se tornar mais rápida. Em 1996 a curva do Cassino foi removida, tornando a parte inferior do circuito mais reta e aumentar a aceleração. E para o evento de 2017 a direção de prova pediu para que a barreira de pneus fosse substituída por um muro de contenção de polietileno, preenchidas por plásticos, espumas e areia para oferecer uma dispersão de energia significativa, caso ocorresse alguma colisão. 

Aliás, o muro localizado na reta que dá entrada para área dos boxes, recebeu esse nome depois de fazer vítimas como Damon Hill, Michael Schumacher e Jacques Villeneuve em 1999 depois de um acidente. Mas pilotos como Jenson Button, Sebastian Vettel, Nico Rosberg e pilotos campeões de outras categorias como Ricardo Zonta (FIA GT) e Carlos Sainz Jr (Fórmula Renault) também tiveram um encontro com o muro.

lll Pneus

Assim como Mônaco o Canadá não faz parte de uma corrida convencional da Fórmula 1, com o asfalto liso é possível usar repetir a goma dos compostos utilizados no traçado de rua monegasco, portanto vamos ver em ação novamente o pneu C3 (pneu macio – faixa branca), C4 (pneu médio – faixa amarela) e C5 (pneu duro – faixa vermelha).

 

É umas das características do circuito iniciar o final de semana com o asfalto ”verde”, onde a aderência vai crescendo com a utilização da pista. O traçado é relacionado a frenagem, então manter o calor nos pneus dianteiros se torna o desafio. A chuva e as baixas temperaturas são o desafio a mais que as vezes acabada dando as caras em algum momento do final de semana.

A ocorrência do carro de segurança é razoavelmente comum, assim como o clima instável da região onde o autódromo é situado.

 

Devemos ficar atentos ao número de ultrapassagens, além dos desafios que as equipes vão ter lidar, ligados a conservação dos compostos, em um pista rápida onde os pneus são altamente consumidos por conta das retas longas e frenagens intensas. Geralmente é escolhido a corrida voltada para apenas uma parada, mas elas acabam se variando ao longo do grid.

lll Corrida 2018

Sebastian Vettel cravou a pole do sábado, para vencer no dia seguinte de ponta a ponta, mas também foi um marco da temporada, onde nesta prova o alemão retornava a liderança do campeonato. Foi uma prova para ele que não chegou a ser ameaçado por Valtteri Bottas, terminando a 7s a frente do finlandês.

A disputa entre Lewis Hamilton e Vettel seguia equilibrada e na conclusão de um terço do Mundial era excelente.

Diferente desta temporada, a Mercedes no ano passado não era tão estável e apresentava dificuldades em alguns circuitos, problemas estes por conta dos compostos fornecidos pela Pirelli, como em Montreal, o inglês mesmo finalizou a prova na quinta posição.

Max Verstappen fechou na terceira posição, após disputar roda com roda com o finlandês da Mercedes que não estava disposto a entregar o segundo lugar facilmente. Daniel Ricciardo ficou com o quarto lugar, após realizar a ultrapassagem em Hamilton nos boxes, o inglês até se aproximou em alguns instantes, rodando a menos de um segundo, mas não chegou a investir na ultrapassagem.

Retornando a primeira volta, foi o momento que o Safety Car acabou partindo para a pista por conta da batida entre Lance Stroll e Brendon Hartley. O canadense fechou a porta para o neozelandês, já que havia perdido a traseira da sua Williams. Stroll dizia que aconteceu após um toque com uma McLaren (Vandoorne), mas nas imagens, parecia muito pouco para desestabilizar o carro. O fato é que o canadense pode ter ficado com o pneu furado o que levaria a traseira do seu carro ficar completamente solta e logo depois o belga necessitou entrar nos boxes e realizar a troca do bico do seu carro.

Sem maiores surpresas a prova seguiu, os pit-stops foram os mais aguardados, Grosjean foi o que mais permaneceu na pista com os ultramacios. Alonso abandonou a prova quando o seu carro apresentou perda de potência na volta 43, bem na corrida que ele completava o seu 300° Grande Prêmio.

O GP do Canadá acabou mais cedo na temporada anterior, na volta 68 a modelo Winnie Harlow deu a bandeirada.

 

BPCast § 38 | Preview do GP do Canadá de 2019

Subscribe to
BPCast

Or subscribe with your favorite app by using the address below


Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo