ColunistaFórmula 1Post

O nascimento do MCL35M, ”essencialmente, estamos construindo um novo carro”

O diretor de produção da McLaren, Piers Thynne, falou sobre a produção do MCL35M, pois a equipe está passando por um momento de mudanças

Já falamos muito sobre o desafio da McLaren em 2021, é um momento novo para o time, mas que eles têm alguma experiência, já que em um período de seis anos o carro deles esteve equipado com o motor Honda, depois foi para o Renault e agora está retornando para a unidade de potência da Mercedes.

O diretor de produção da McLaren, Piers Thynne falou sobre os desafios que o time está enfrentando com o MCL35M. A equipe papaya foi a única do grid, autorizada a realizar mudanças pontuais no chassi para o recebimento da nova unidade de potência. Quando a McLaren optou pela mudança do motor, eles não tinham como imaginar que uma pandemia poderia mudar os planos da categoria e as diretrizes dos times.

Piers Thynne – Foto: McLaren

“O verdadeiro desafio não é necessariamente produzir o carro do lançamento, mas é como você evolui a partir dele, atualizando-o o mais rápido possível. A chave é não gastar tempo e recursos em nada que não seja necessário. Se você fizer muitas peças com especificação do lançamento, você desperdiçou a capacidade que poderia ter sido usada para produzir uma atualização para a especificação mais recente”, afirma Thynne.

Os chassis dos carros passam por uma homologação da FIA, é o que da a aprovação necessária para os times estarem liberados para a competição, os chassis têm que ser aprovados no teste de colisão e é um momento de muita tensão para as equipes. Para a temporada de 2021 a McLaren precisou passar por este processo, mas foi um pouco diferente da outras temporadas já que a pandemia ainda está muito presente no dia a dia.

“A homologação do chassi é sempre um marco enorme. É um momento inquieto e ansioso para muitas pessoas da equipe, a única diferença é que temos que passar por homologação todos os anos! Embora sejamos a única equipe que teve que fazer isso para o carro deste ano, porque todas as outras equipes carregaram seu chassi de 2020 para 2021. Não tínhamos esse luxo devido às mudanças feitas no chassi para acomodar a mudança para a unidade de potência da Mercedes.”

Leia Mais: O carro da McLaren já está equipado com o motor Mercedes

“Houve alguns desafios, como acontece todos os anos, mas o bom trabalho em equipe entre a fabricação e o design fez com que o chassi fosse homologado dentro do prazo em dezembro. O processo realmente não diferia, mas, por causa das restrições covid-19, a FIA não poderia estar fisicamente presente para testemunhar o teste de colisão. Em vez disso, tivemos que configurar câmeras e links ao vivo, para que eles pudessem ver toda a instrumentação e acompanhar de perto cada etapa do processo.”

McLaren MCL35M – Foto: reprodução McLaren

Mas a pergunta que fica, a McLaren tem um carro novo em 2021? O diretor técnico da McLaren, James Key, já havia falado sobre isso, que o MCL35M era quase um novo carro.

“Considerando que todas as outras equipes transportarão a maior parte de seu carro do ano passado para este ano, nossa mudança para o motor da Mercedes significa que não é o nosso caso. Isso gerou uma grande quantidade de mudanças e, essencialmente, estamos construindo um novo carro. O número de novas peças no MCL35M é quase o mesmo de quando construímos o MCL35M”, afirma Piers Thynne.

“A parte traseira do chassi e a caixa de câmbio (caixa seca) ao redor do motor mudaram significativamente para se adaptar à nova unidade de potência. Mudar a unidade de potência altera muito a arquitetura do carro e a forma como tudo é envolvido, então todo o layout para a refrigeração e toda a tubulação – seja para fluido ou ar – mudou, junto com todos os chicotes elétricos e a transmissão.”

É claro que nem tudo é novo, o MCL35M vem do MCL35 utilizado pela McLaren no campeonato de 2020, então alguns componentes serão usados no novo carro: Existem alguns elementos significativos de transição quando entramos no teto orçamentário. A FIA criou uma lista de componentes de transição transitória (TCO) que estão fora do teto deste ano. Essas são peças que podem ser usadas em 2021 se foram utilizadas no carro do ano passado. Impulsionamos essas regulamentações de TCO ao máximo para nos permitir transportar o máximo possível, como partes internas da caixa de câmbio e alguns componentes da suspensão e, portanto, não ter que usar uma parte de nosso orçamento de 2021 em seu design e produção.”

Foto: McLaren

O progresso da McLaren não parece ser uma preocupação para o time, mesmo diante de várias mudanças.

“A F1 sempre foi um trabalho sob um conjunto de restrições, sejam elas técnicas, de tempo ou de custo. Dito isso, a natureza das novas restrições de custo é bem diferente do que experimentamos antes. Isso exigirá uma pequena mudança na abordagem, porque há uma troca real entre custo e desempenho. Sim, você precisa atingir o limite de custo, mas precisa fazer isso sem perder desempenho.”

“Você não pode simplesmente fazer um carro mais barato. Se você fizer isso, você fará um carro mais lento. Você precisa olhar para o problema de forma holística para aumentar a eficiência em todas as áreas, mas não em detrimento do desempenho do carro. Não acho que você verá quais equipes realmente conseguirão lidar com essa abordagem até o próximo ano, porque os regulamentos do TCO distorceram o cenário para 2021. O verdadeiro teste virá com o design e a fabricação do carro 2022.”

Vale lembrar que por conta da pandemia, a fábrica teve que seguir os protocolos de segurança. Muitas decisões foram tomadas de forma remota, com o time se encontrando em diversas chamadas de vídeo que foram necessárias para conversar sobre às várias modificações.

O carro para 2022 também é uma questão que está aguçando a curiosidade de quem acompanha a categoria. Em 1 de janeiro os times foram liberados para trabalhar no novo carro, já que a Fórmula 1 teve que empurrar o novo regulamento técnico, com mudanças substanciais para 2022, Piers Thynne também falou um pouco sobre ele:

“Fomos capazes de começar a trabalhar com o programa de túnel de vento para o carro 2022, que começou no início deste mês quando o congelamento do desenvolvimento aerodinâmico foi suspenso. Fabricamos uma grande quantidade de peças para apoiar o início desse programa. Em termos de produção real do carro 2022, ainda é cedo e o foco está predominantemente nas peças a serem testadas no túnel de vento.”

Leia Mais: A determinação de Daniel Ricciardo é a chave para a McLaren em 2021

“Conforme o design aerodinâmico amadurece, faremos mais e mais componentes aerodinâmicos para testes em túnel de vento. Esses testes são realmente importantes: trata-se de estabelecer o que funciona e o que não funciona, porque quando chegamos a construir o carro de 2022, queremos que ele esteja certo logo da primeira vez.” 

“Os testes devem levar as peças aerodinâmicas ao limite, é assim que você ganha performance. Se eles funcionarem, ótimo. Se não, podemos sempre dar um passo atrás na produção. Você precisa mirar alto e isso é exatamente o que estamos fazendo para voltar ao topo do grid”, finaliza Piers Thynne

O lançamento do novo carro da McLaren, acontece no dia 15 de fevereiro.

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo