ColunistaIndyPost

Josef Newgarden passa Scott McLaughlin nos metros finais e vence no Texas

A dobradinha da vitória número 600 da Penske veio em uma chegada emocionante em uma corrida disputada, em que muita gente teve problemas e Jimmie Johnson teve uma boa exibição

Em uma corrida bastante disputada e com boas surpresas, a primeira corrida em circuito oval da temporada 2022 da Fórmula Indy foi definida nos metros finais. Scott McLaughlin foi o piloto dominante no da etapa do Texas, mas Josef Newgarden veio com um ritmo forte nas voltas finais e fez uma ultrapassagem decisiva na reta de chegada, para ficar com a vitória.

Independente do vencedor, a dobradinha da Penske ganhou com contorno histórico, pois foi a vitória de número 600 da equipe, somando todas as competições em que disputa ou disputou, incluindo Indy, NASCAR, IMSA, Fórmula 1, entre outras categorias.

Com relação à corrida, a disputa foi dominada por McLaughlin desde o começo, quando tomou a ponta na largada de Felix Rosenqvist e liderou a disputa sem ser contestado na primeira parte da disputa.

Enquanto isso, outras equipes tinham dificuldades no fim de semana. A Andretti sofreu com os motores Honda, que acabaram quebrando nos carros de Alexander Rossi e de Romain Grosjean. Colton Herta fez uma corrida competitiva, mas sofreu com problemas nos boxes, especialmente na última parada, e ficou fora dos dez primeiros.

O quarto representante da equipe de Michael Andretti, Delvin DeFrancesco acabou sendo um destaque da prova, mas por motivos nada legais. Primeiro, o canadense deu um chega pra lá em Takuma Sato e mandou o japonês para o muro, arruinando a corrida do piloto da Dale Coyne.

Depois, DeFrancesco forçou a barra na disputa entre novatos, com Kyle Kirkwood, da AJ Foyt. Pior para o piloto do 14, que abandonou a disputa, na qual vinha andando bem.

Por fim, o canadense achou que seria uma boa ideia se meter na disputa entre Helio Castroneves e Graham Rahal e foi para o muro levando os dois veteranos juntos. O brasileiro ficou irritado com a manobra e pediu que DeFrancesco seja mais responsável nas próximas oportunidades. 

Quem também teve um dia para esquecer, assim como a sua matriz da F1, foi a McLaren SP, apesar da pole de Rosenqvist, as coisas não fluíram para a equipe britânica. Tanto o sueco, como Pato O’Ward tiveram um bom ritmo no primeiro terço de prova e ficaram nas primeiras posições. 

No entanto, os dois pilotos se atrapalharam na entrada dos boxes e prejudicaram o trabalho de pits, perdendo várias posições. Para o mexicano, o prejuízo foi maior, pois ele atropelou um mecãnico e, por isso, foi penalizado com a perda de uma volta, Logo depois, foi a vez de Rosenqvist ter um problema mecânico e abandonar a disputa.

A Penske aproveitou esses problemas para assumir o domínio da disputa e chegou a formar o 1-2-3 com McLaughlin, Josef Newgarden e Will Power, mas a Chip Ganassi conseguiu se colocar na disputa com Marcus Ericsson e Scott Dixon, além de Rinus Veekay, da Ed Carpenter Racing.

Mesmo assim, com a sequência de bandeira verde na parte final, McLaughlin e Newgarden se desgarraram dos demais e passaram a discutir a vitória entre si, com apenas Ericsson mais próximo acompanhando a disputa.

O neozelandês, vencedor da primeira etapa da temporada, parecia soberano, com um ritmo competitivo e conseguindo se desvencilhar melhor dos retardatários individuais. Contudo, Newgarden conseguiu manter uma distância segura para tentar um último ataque no fim.

Na última volta, uma fila de retardatários apareceu no caminho e, com o alto desgaste dos pneus de McLaughlin, o piloto da casa (já que Newgarden é texano), aproveitou a oportunidade e deu o bote na reta dos boxes. Cruzando à frente com a vantagem de 0.0669 para o neozelandês.


Marcus Ericsson foi o terceiro, seguido por Will Power e Scott Dixon. Na sequência, veio um dos grandes destaques da prova: Jimmie Johnson fez a sua melhor atuação na Fórmula Indy, com ultrapassagens e um ritmo competitivo na parte final, terminando com a sexta colocação.

Outro destaque da prova foi Santino Ferrucci. O estadunidense substituiu Jack Harvey no terceiro carro da RLL, que sofreu um acidente forte nos treinos e foi impedido de correr pelos médicos. Ferrucci estava na própria casa e correu para o circuito para competir na etapa. Mesmo assim, fez uma corrida sem contratempos e conseguiu concluir em nono.

A próxima corrida da Fórmula Indy é uma das mais tradicionais do calendário, a prova será no circuito de rua de Long Beach no dia 10 de abril.

Classificação das 375 Milhas do Texas:

Aqui!

Campeonato após duas etapas:

1 – Scott McLaughlin (NZL) – Penske/Chevrolet – 97
2 – Will Power (AUS) – Penske/Chevrolet – 69
3 – Alex Palou (ESP) – Chip Ganassi/Honda – 67
4 – Josef Newgarden (EUA) -Penske/Chevrolet – 65
5 – Marcus Ericsson (SUE) – Chip Ganassi/Honda – 58
6 – Scott Dixon (NZL) – Chip Ganassi/Honda – 55
7 – Rinus Veekay (NED) – ECR/Chevrolet – 50
8 – Colton Herta (EUA) – Andretti/Honda – 50
9 – Simon Pagenaud (FRA) – Meyer Shank/Honda – 39
10 – Romain Grosjean (FRA) – Andretti/Honda – 35

18 – Hélio Castroneves (BRA) – Meyer Shank/Honda – 24

 

Mostrar mais

Eduardo Casola

Jornalista formado na Universidade de Sorocaba (Uniso) e apaixonado por esporte a motor desde quando se conhece por gente. Apenas um rapaz que gosta de uma boa corrida e de uma boa história!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados