ColunistaFórmula 1Post

Grosjean e Magnussen estão conversando com equipes da Indy para a temporada de 2021

A Haas confirmou que não renovaria o contrato com a dupla atual, Grosjean e Magnussen seguem buscando um assento para a próxima temporada, mas agora estão investindo na Indy

As coletivas começaram nesta quinta-feira (12) como parte da programação para o GP da Turquia, nesta oportunidade Romain Grosjean e Kevin Manussen que estão sem vaga para a temporada de 2021, falaram sobre os planos para o futuro.

Antes do GP de Portugal a Haas confirmou que não renovaria com a dupla para o próximo ano, Grosjean pareceu um pouco chateado pois acreditava que um deles permaneceria no time. Com poucas vagas disponíveis no grid a situação deles na categoria começou a se afunilar e o futuro na F1 ficou bem duvidoso, mas os dois pilotos passaram a conversar com equipes na Indy, uma categoria que tem muita força nos Estados Unidos.

“Acho que sempre há oportunidades”, Grosjean foi questionado sobre as conversas com as equipes da Indy, mas tinha soltado apenas um “sim”.

Confira: Haas confirma a saída de Magnussen e Grosjean. Pilotos da base podem ser a aposta para 2021

“Estamos atrasados, algumas das equipes já estão lotadas, mas ainda existem oportunidades e estamos olhando o que podemos fazer, e como podemos fazer. Acho que há algum desejo de ambos os lados de que isso aconteça, o que é bom”, completou o francês.

“As corridas são muito divertidas, há boas oportunidades de vencer corridas ou de subir ao pódio. Os contras são obviamente que eu realmente não sei muito sobre automobilismo nos Estados Unidos. As pistas parecem legais, é um campeonato muito bom e acho que há mais prós do que contras, mas obviamente o estilo de vida e onde vivemos e o que fazemos com as crianças e sua educação e seu futuro estão no topo da lista de prioridades… Não é como se eu fosse um jovem que pode simplesmente pular em um avião com uma mochila e não olhar para trás!”

Foto: Haas

Grosjean foi buscar conselhos com os pilotos Simon Pagenaud e o ex-piloto de F1 Marcus Ericsson que fez a sua mudança para o automobilismo norte-americano.

“Obviamente correr as 500 milhas de Indianápolis é algo único, é uma das três primeiras corridas do mundo com Le Mans e Mônaco, e eu acho que se você puder colocar o medo de lado um pouco e ir em frente, e aceitar isso. Os carros estão muito mais seguros, os circuitos estão mais seguras, tudo está se movendo na direção certa e acho que está acontecendo de uma forma que eu aceito agora que pode ser uma boa oportunidade e uma experiência divertida e com sorte, uma experiência de sucesso.”

Confira: Grosjean falou sobre a surpresa da substituição dos dois pilotos da Haas

Magnussen também falou sobre a IndyCar: “Como já disse várias vezes, IndyCar é algo que está no topo da minha lista e sempre fui um fã, então adoraria experimentar”, disse Magnussen. “Meu pai correu na América por cerca de 20 anos, e eu passei muito tempo lá e realmente gosto de estar na América. Então eu acho que isso me serviria muito bem… É um desafio que eu ficaria muito animado.”

“Há muitas coisas novas, mas sempre achei as pistas ovais espetaculares e muito diferente do que já fiz na minha carreira. Nós realmente não fazemos ovais na Europa. As pistas de rua, são fantásticos também, realmente old school. E novamente, o fato de todos os carros serem muito semelhantes também é muito bom. Isso significa que você pode fazer uma grande diferença como motorista.”

 

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo