ColunistaFórmula 1Post

GP da Itália: O desempenho dos compostos em Monza

Racing Point adota estratégia que poderia dar errado, mas com paralisação da prova, canadense realiza troca de pneus e não perde tempo nos boxes

GP da Itália, aquela pitada de confusão que muita gente gosta, pois o resultado foi imprevisível. Uma corrida desafiadora para as equipes pois a entrada do Safety Car provocado por Kevin Magnussen deu uma reviravolta nas estratégias dos times.

Pierre Gasly venceu a corrida e o mais interessante nisso é que o francês havia parado na volta 19, retornou para a pista com os pneus duros e dava a entender que não pararia mais. O abandono de Kevin Magnussen provocou o fechamento dos boxes e os pilotos que não haviam realizado as suas paradas foram para os boxes, desta forma o francês ganhou posições importantes.

Confira: Volta por Volta – A Primeira Vitória de Pierre Gasly

O regime de bandeira vermelha provocou a paralisação da prova e neste momento aqueles que quiseram instalar outros compostos ganharam a oportunidade de utilizar outro tipo de pneus dentro da gama fornecida pela Pirelli. Gasly abandonou os compostos duros para utilizar os médios e está foi a estratégia vencedora do fim de semana.

Duas corridas em uma

Desta vez os pilotos precisaram realinhar no grid e realizar uma nova largada e assim foi possível ver uma corrida completamente diferente tendo início.

Lance Stroll que terminou na terceira posição, ganhou um pit stop sem precisar perder tempo com a parada. Lewis Hamilton que largou da pole e realizava uma grande corrida, acabou se encaminhando para os boxes na hora errada – quanto ele estava fechado – e recebeu 10 segundos de penalização – stop and go.

Estratégias - O pit stop realizado por cada equipe - Foto: Pirelli Motorspost
Estratégias – O pit stop realizado por cada equipe – Foto: Pirelli Motorspost

Como foi o comportamento de cada composto

Duros: Utilizados por Lewis Hamilton e Alexander Albon para o final da corrida. Foi o composto que Daniil Kvyat da AlphaTauri escolheu para a largada.

Médios: Grande parte dos pilotos apostou neles para o momento da relargada, pois combinavam velocidade e durabilidade, além de auxiliarem na parte final da prova.  

Confira: GP da Itália – Simplesmente fantástico, Pierre Gasly vence a corrida acompanhado por Sainz e Stroll

Macios: Usados principalmente para a largada, os dez primeiros que realizaram o Q2 apostaram neste composto para iniciar a prova. A dupla da Alfa Romeo, assim como Esteban Ocon da Renault, optaram pelo composto para a fase final da corrida, mas com a Antonio Giovinazzi e Kimi Raikkonen se provaram uma escolha ruim.

E de modo geral os pneus se comportaram bem em Monza, apresentaram uma boa durabilidade, mesmo com as altas temperaturas. 

A melhores voltas de cada composto e quantas voltas foram completadas - Foto: Pirelli Motorsport
A melhores voltas de cada composto e quantas voltas foram completadas – Foto: Pirelli Motorsport

Confira o nosso podcast!

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo