ColunistaDestaquesFórmula 1Post

Em meio as disputas em pista as amizades se fortalecem na F1, vejam alguns casos em que a amizade foi maior que a rivalidade

Amizade… Algumas pessoas não acreditam nesta palavra, ainda mais no ambiente de trabalho. Se ela for proferida no automobilismo aí é que vem uma torrente de comentários, esbravejando que ela não existe. É claro que em meio a uma competição, o seu companheiro de equipe acaba se tornando o primeiro rival. Mas pensando no tempo em que eles permanecem juntos é melhor nutrir um bom relacionamento.

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

We’re not only good at driving…but artists too 🤩 | 📸 @sachafenestraz

Uma publicação compartilhada por Lando Norris (@landonorris) em

Carlos Sainz e Lando Norris estão juntos na McLaren desde 2019, pelos vídeos que a equipe disponibiliza em seu canal – Unboxed – dá para notar que os pilotos têm um ótimo convívio e estão confortáveis com a presença do outro. Eles pregam peças, fazem brincadeiras e sabem unir forças pelo time. É o sonho de muitos chefes de equipe, ter ao menos pilotos que se respeitem.

Seguindo pela McLaren e regressando diversos anos, Ayrton Senna e Gerhard Berger se tornaram amigos do bom tipo “unha e carne”. “Em Port Douglas, na Austrália, Ayrton Senna encontrou seu quarto cheio de sapos. Sapos na cama, sapos nas gavetas, sapos em todos os bolsos da sua roupa. ‘Você é um idiota’, ele me disse na manhã seguinte. ‘Passei a metade da noite catando sapos e jogando fora’. – E que tal a cobra? – perguntei. E foi assim que ele não dormiu muito bem as duas noites seguintes.”

A amizade dos dois era do tipo que provocava boas risadas, Berger dizia que enquanto o brasileiro o ensinou a dirigir, ele ensinou Senna a rir.

Felipe Massa disse certa vez que amizades são complicadas neste meio, mas se juntou com Daniel Ricciardo. A proximidade dos dois se deu por residirem no mesmo prédio em Mônaco e se verem com frequência. Pelo Instagram era possível ver o australiano sempre brincando com o filho do brasileiro.

Kimi Raikkonen pode não ser o piloto que a gente imagina distribuindo sorrisos, mas a amizade entre o homem de gelo, amante de bons drinques e do nerd Sebastian Vettel, que curte o típico humor inglês de Monty Python, se fortaleceu.

View this post on Instagram

Was nice working with you mate! Photo @calloalbanese

A post shared by Kimi Räikkönen (@kimimatiasraikkonen) on

A relação harmoniosa desses dois pilotos na época da Ferrari, deixou saudades para o alemão que permaneceu no time: “É triste saber que Kimi não vai mais estar aqui, porque acho que nos damos bem, mesmo sendo diferentes.” Os dois continuam indo para os circuitos juntos, chegando a dividir o mesmo avião para ir e vir a cada etapa. A relação de Vettel com Leclerc ainda está em construção, mas em DTS o alemão e o monegasco mostram o peso da geração que os separam.

Saltando para eras mais longínquas, Mike Hawthorn e Peter Collins foram colocados na equipe do cavalo rampante durante a temporada de 1957 e 1958. A amizade dos dois é consagrada no automobilismo, a dupla uniu forças para impedir a vitória de Juan Manuel Fangio durante o GP da Alemanha de 1957, mas precisaram parabenizar o argentino que tinha uma enorme garra.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Teammates Mike Hawthorn and Peter Collins, 1957 British GP, Aintree, July 20th 1957 #mikehawthorn #petercollins #greatbritain #britishgp🇬🇧 #F1 #formula1 #Ferrari #scuderiaferrari #classicf1

Uma publicação compartilhada por Classic F1 (@f1_grip) em

 

Infelizmente acidentes fatais rondavam os pilotos naquela época e Collins faleceu em Nürburgring, após bater em uma árvore e ter ferimentos na cabeça. Hawthorn falava que Collins era o seu – mon ami mate.

https://www.instagram.com/p/B9pcL40J9Bs/

Graham Hill, Jackie Stewart e Jim Clark tinham uma amizade que dava gosto de se ver. Infelizmente com a morte de Clark em 1968, uma dupla foi formada. Os amigos passavam férias juntos regularmente, eram mostrados pela televisão britânica que enfatizava as suas brincadeiras em público, atestando a veracidade dessa amizade. No entanto está história não termina feliz e Hill perde a vida após um acidente de avião em 1975.

No filme Rush – No limite da emoção, Niki Lauda e James Hunt foram mostrados como grandes rivais, mas durante todo os anos que estiveram na Fórmula 1, os dois foram amigos. Hunt conquistou o título da temporada de 1976, Lauda ficou fora por duas provas após o fatídico acidente em Nürburgring daquele mesmo ano. O austríaco voltou para as pistas e perdeu o título na última prova e Hunt disse: “Eu senti que merecia [vencer o campeonato], mas também senti que Niki merecia vencer o campeonato, só queria que nós pudemos compartilhá-lo.

View this post on Instagram

#nikilauda

A post shared by Niki Lauda (@nikilaudaf1) on

Lauda teve um papel importante na vida de Hunt, o austríaco queria fazer com que o amigo se livrasse do alcoolismo durante a década de 1980 e ainda o auxiliou financeiramente.

Geralmente os pilotos que crescem juntos na base também nutrem uma boa amizade, o tempo que passam juntos e a forma como vão evoluindo no esporte acaba influenciando também.

E aí você se lembra de mais amizades no automobilismo?

 

Subscribe to
BPCast

Or subscribe with your favorite app by using the address below

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo