ColunistaFórmula EPost

Em final intenso, Mortara desafia Vergne e vence ePrix de Berlim

Mortara liderou a prova com conforto, mas nas últimas voltas viu um forte Vergne se aproximar e arriscar uma ultrapassagem. Mortara se defendeu para ficar com a ponta

Depois de uma disputa intensa neste sábado (14) em Berlim, o pole Edoardo Mortara reverteu o bom resultado em uma vitória para a Venturi. O suíço administrou a liderança da corrida de forma segura, mas foi atacado nas últimas voltas e precisou se posicionar bem na pista, para não deixar Jean-Éric Vergne vencer a 7ª etapa.

A corrida no Aeroporto de Tempelhof contou com muitas ultrapassagens e uma boa movimentação na pista provocada pela ação do Modo Ataque. Mortara venceu a prova, recebendo a bandeira quadriculada na liderança. Jean-Eric Vergne que contou com um forte carro da DS Techeetah, precisou se defender e atacar adversários, para se consolidar na segunda posição pois largou do 4º lugar.

Stoffel Vandoorne que chegou como líder em Berlim, não fez uma classificação tão sólida, mas largou da oitava posição, o piloto alemão foi galgando posições ao longo da prova, para conseguir o pódio em Berlim.

Alexander Sims conquistou os seus primeiros pontos ao terminar no nono lugar, mesmo após lidar com uma queda de desempenho. Da Costa também exigiu muito da bateria e assim cruzou a linha de chegada apenas no oitavo lugar.

A Fórmula E disputará mais uma prova neste domingo.

Saiba como foi o ePrix de Berlim

A primeira prova do fim de semana foi realizada no sentido anti-horário da pista, mas será alterado para a prova do domingo.

Os pilotos percorreram alguns metros para aquecer os pneus antes da largada. Quando as luzes se apagaram começou a valer a disputa pela 7ª etapa da Fórmula E. Mortara permaneceu na ponta tendo uma reação muito boa, mas Sims foi surpreendido por Da Costa. O piloto da Mahindra fez o possível para manter o segundo lugar, mas na sequência Lotterer e da Costa começaram a brigar pelo terceiro lugar. A largada ocorreu sem incidentes, mas os pilotos aproveitavam a proximidade para disputar posições.

Câmara que largou da sétima posição, foi ultrapassado por Evans e Dennis, mas ainda era o nono colocado. Rapidamente a direção de prova liberou a utilização do modo ataque. Vergne fora ultrapassado por Wehrlein, com o piloto assumindo a quinta posição. Sette Câmara tentava se recuperar e detinha a volta mais rápida, enquanto atacava Dennis.

Na terceira volta Cassidy ativou o modo ataque, como o piloto estava no final da tabela, fazia o possível para escalar o pelotão. Da Costa ultrapassou Sims, para ficar com a segunda posição. O piloto da Mahindra não tinha carro para brigar pelas primeiras posições pois fora a zebra da classificação, desta forma Lotterer também ultrapassou Sims, durante a quarta volta.

Nesta primeira prova do fim de semana, foi determinado que os pilotos precisavam usar o Modo Ataque em dois momentos da prova, com duração de quatro minutos cada.

Mortara foi alertado que a direção de prova estava investigando a sua passagem pelos boxes antes do início da prova – a decisão será dada após o encerramento da prova. De qualquer foram o suíço tinha um desempenho superior ao dos adversários e conseguiu estabelecer uma vantagem para o segundo colocado.

Com dez voltas, os dez primeiros eram: Mortara, Da Costa, Lotterer, Vergne, Lotterer, Sims, Wehrlein, Evans, Dennis, Câmara e De Vries. Lucas di Grassi chegou à 12ª posição ao ultrapassar Bird.

O Wehrlein da Porsche avisou para a equipe que não estava confortável com aqueles pneus. A pista de Berlim é bem abrasiva, principalmente por conta do alto nível de aderência presente neste asfalto. Entre os dez primeiros colocados, Wehrlein foi o primeiro piloto a obter a potência extra fornecida pelo Modo Ataque. Na sequência foi a vez de De Vries. Sims tinha caído para o quinto lugar.

Durante a décima terceira volta, Wehrlein aproveitou a potência extra para atacar Vergne; Sims e Lotterer  também se aproveitaram para realizar a ultrapassagem, pois o piloto da DS Techeetah foi buscar a potência extra para desafiar os adversários e tentar administrar os ataques que estava sofrendo. Câmara seguia despendo no grid e estava na décima quarta posição.

As posições foram se alternando rapidamente, pois existia muita disputa na pista pela pista, algo possível pela configuração do circuito de Berlim. Mortara foi conservando a  liderança, mas viu pelo retrovisor Wehrlein ganhando a posição de Lotterer que ocupava o segundo lugar e esbanjava muita potência. Sims que era o terceiro colocado, se deparou com pilotos que ainda tinham um pouco de potência extra pelo Modo Ataque e foi perdendo posições mais uma vez.

A Porsche deu uma ordem de equipe, garantindo que Vergne que tinha um carro mais rápido, deveria ceder a posição para Lotterer. Na sequência o alemão da Porsche que corre com o número 94, foi surpreendido pela dupla da DS Techeetah obtendo o terceiro e o quarto lugar com Da Costa e Vergne respectivamente.

Ganharam o Fanboost: Da Costa, Vergne, Vandoorne, Evans e De Vries. Sims logo ativou o seu segundo Modo Ataque e apareceu na quarta posição. Mortara foi usar a sua primeira potência extra na décima nona volta, o piloto da Venturi perdeu apenas uma posição para Lotterer, mas na reta de largada surpreendeu o adversário e retomou o primeiro lugar.

Nesta vigésima volta, os dez primeiros eram: Mortara, Lotterer, Sims, Da Costa, Vandoorne, Vergne, Wehrlein, Evans, Dennis e Rowland.

As disputaras estavam intensificadas, principalmente por aqueles pilotos que buscavam ficar entre os dez para pontuar. Sette Câmara estava duelando diretamente com Rowland, Bird, Dennis e Di Grassi. Vandoorne que tinha largado da oitava posição, brigava pelo quinto lugar, tentando reduzir a distância de Sims, mirando no 4º lugar.

Di Grassi seguiu para os boxes na volta 24, o piloto foi devolvido para a pista na vigésima segunda posição, uma pena pois o brasileiro brigava para ficar no top-10.

Vandoorne mostrava muito domínio, por dentro o piloto da Mercedes fez a ultrapassagem em Vergne para ficar com a terceira posição.

Durante a volta 27, Lotterer caiu para o terceiro lugar, pois buscou o Modo Ataque, Mortara seguia na liderança, com Vandoorne na segunda posição. No giro seguinte a Mercedes autorizou o piloto a buscar a potência extra, para brigar pelas primeiras posições.

Motara respondeu e fez o seu acionamento na volta 31, o piloto voltou para a terceira posição, mas o suíço da Venturi se aproximou de Lotterer, colocou de lado e o piloto da Porsche não conseguiu se defender. Mortara partiu para o ataque em Vandoorne, reassumindo a liderança no giro 32.

Com apenas sete minutos para o final, os dez primeiros eram: Mortara, Vandoorne, Vergne, Lotterer, Da Costa, Wehrlein, Evans, Sims, Bird e Rowland. Cassidy abandonou a prova.

A disputa dos primeiros colocados seguiu de forma muito intensa e mesmo com Mortara liderando grande parte da prova, não era possível cravar a sua vitória. Vergne, voltou a atacar Vandoorne, para obter o segundo lugar, enquanto Mortara estava na liderança, mas já era perseguido pelo piloto da DS Techeetah.

Mortara foi atacado por Vergne que tinha se aproximado, mas o piloto da Venturi deu um x’s e se manteve na liderança. Vergne espalhou e viu Vandoorne se aproximar ainda mais, o piloto da Mercedes continuava muito perto, pressionando, com Lotterer que estava encaixado na segunda posição e esperando só uma oportunidade para fazer parte do pódio em Berlim.

Mortara recebeu a bandeira quadriculada na primeira posição, com Vergne em segundo e Vandoorne no terceiro lugar. Da costa despencou para a oitava posição, com Sims em nono.

Grid após a conclusão da 7ª etapa da Fórmula E – Foto: reprodução Fórmula E
Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados