ColunistaDestaquesFórmula 1

Café com Deborah – O que foi visto no GP do Brasil

lll Capa: Rafa Catelan

O GP do Brasil de 2018 não estava resolvido para Max Verstappen que acabou perdendo aquela vitória quando colidiu com Esteban Ocon, mas nesta temporada o holandês lutou por ela.

A pole estava nas mãos das três forças, Ferrari, Mercedes e Red Bull, os treinos livres foram liderados por pilotos diferentes, então não existia um favorito. O desempenho na classificação foi espetacular e mesmo com a volta que não foi de todo perfeita, Verstappen conseguiu a primeira posição e a segunda pole da carreira.

Durante a corrida, Verstappen precisou disputar a liderança com Hamilton duas vezes e acabou levando vantagem sobre o inglês que enfrentava problemas no carro. O Safety Car também é um grande aliado do GP do Brasil e ajudou a dar uma agitada no grid, possibilitando o uso de mais paradas nos boxes para completar às 71 voltas, com compostos melhores.

A disputa entre os companheiros de equipe da Ferrari já foi mais que discutida, existem os que acreditam na culpa mútua e naqueles que tem um piloto apenas como culpado. Essa questão foi bem discutida no BPCast, mas pensando em um ponto específico, para aqueles que estavam lutando pela terceira posição do campeonato, abandonar a prova não era a melhor opção, ainda mais quando o rival direto está liderando a prova.

Pierre Gasly pode desfrutar do abandono da Ferrari, para cruzar a linha de chegada na segunda posição, com a Toro Rosso. O francês foi rebaixado após o começo da temporada e aproveitou o momento de redenção no Brasil. O sexto lugar já era um bom ponto de partida, ele foi mostrando ritmo e subindo no grid, até o toque de Hamilton e Albon que possibilitou mais um ganho. A última volta no circuito, precisou de sangue frio, pois o inglês queria aquela posição, mas foi Gasly que recebeu a bandeirada primeiro. O segundo lugar de Gasly, é a segunda melhor marca do time, após a vitória de Sebastian Vettel no GP da Itália de 2008.

Infelizmente a decisão demorou de ser tomada o que impossibilitou Carlos Sainz da McLaren de subir ao pódio, Hamilton só foi punido depois da cerimônia, mas isso não impossibilitou a equipe de proporcionar a festa para o espanhol. Sainz largou da última posição, após enfrentar problemas na classificação. No começo teve problemas para escalar o grid, mas começou a ganhar mais espaço, ao término da prova ele era o quarto colocado e herdou a posição quando Hamilton caiu para sétimo. Este foi o primeiro pódio de Sainz na carreira.

Mais um time “vencedor”, foi a Alfa Romeo, a equipe estava com dificuldades em obter bons resultados, mas no Brasil se viu em um crescente e obteve o quarto e o quinto lugar, com Kimi Raikkonen e Antonio Giovinazzi; resultando no ganho de posição do italiano na disputa com Romain Grosjean.

E dos perdedores da prova, obviamente Lewis Hamilton está dentro. Quando o campeonato está resolvido os pilotos costumam correr mais livres e o inglês lida com cada corrida sendo única, pois isso não é atoa a sua vontade de obter a melhor posição, no entanto isso resultou no incidente com Albon e na alteração do resultado da prova. O piloto tailandês também pode ser considerado um perdedor, o piloto que vinha obtendo bons resultados desde a sua mudança para a Red Bull, terminou apenas em décimo quarto.

O GP do Brasil foi bem movimentado, agora resta apenas uma prova, o GP de Abu Dhabi a última chance para os times lutarem por contos e para a definição da terceira posição no campeonato.

Subscribe to
BPCast

Or subscribe with your favorite app by using the address below

 

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados